Directo ao conteúdo
Ministério dos Negócios Estrangeiros da Finlândia

Estadista Johan Vilhelm Snellman (1806-1881) - Embaixada da Finlândia, Lisboa : Info Finlândia : História

EMBAIXADA DA FINLÂNDIA, Lisboa

Rua do Possolo 76-1°
1350-251 Lisboa, Portugal
Tel +351 21 393 30 40, Fax:+351 21 390 47 58
E-mail sanomat.lis@formin.fi
Português | Suomi | Svenska | facebook
Tamanho de letra_normalTamanho de letra_maior
 

Estadista Johan Vilhelm Snellman (1806-1881)

As bandeiras são hasteadas na Finlândia, no dia 12 de Maio, em comemoração do estadista Johan Vilhelm Snellman. Uma das grandes influências do seu tempo na Finlândia - filósofo, cujos pensamentos vanguardistas levaram ao reforço da ideologia finlandesa.

 

J.V. Snellman pintado por O. Nylander no ano 1849.J.V. Snellman pintado por O. Nylander no ano 1849.

Snellman era sueco-falante de língua materna , mas promovia a posição da língua finlandesa, "a língua do povo", na sociedade. Escrevia diligentemente para jornais e revistas contemplando e tomando posições sobre as circunstâncias sociais na Finlândia e contemplando a situação política do país sob o domínio russo. As suas críticas literárias também foram publicadas. J.V Snellman dedicou-se também à economia nacional e à política financeira.

J. V. Snellman nasceu em 12 de Maio de 1806, em Estocolmo. Os seus pais pertenciam ao clero e à burguesia, e o seu pai era capitão de marinha que se interessava por filosofia. Depois de terminar o liceu Snellman mudou-se da cidade de Oulu, para a cidade de Turku para aí realizar os seus estudos universitários. Até ao ano 1835, tinha já alcançado o cargo de docente de filosofia. Snellman familiarizou-se em particular com a filosofia de G.W.F. Hegel.

Nos anos de 1835 a 1842, Snellman visitou o estrangeiro: Visitou a Suécia e Tübingen, na Alemanha, entre outras localidades. Durante estes anos, Snellman produziu as suas duas principais obras, "Läran om Staten" e "Idee der Persönlichkeit", para além das descrições literárias e relatórios das viagens feitas.

Após o seu regresso do estrangeiro, Snellman desempenhou as funções de reitor da escola de Kuopio até ao ano 1849. Para além da profissão principal, trabalhava como redactor no jornal "Maanmiehen Ystäwä", com o intuito de civilizar o povo finlandês. O objectivo do jornal "Saima", de língua sueca, era dar a conhecer a situação das classes mais baixas da sociedade, às pessoas educadas e aos meios universitários. O jornal crítico "Saima" foi suspenso devido à situação política vivida nesta época.

SnellmanSnellman recebeu o título de professor catedrático de filosofia em 1856, ao mesmo tempo que chegou a ser assessor do governo, mais tarde senador e chefe do fornecimento das finanças as actividades do governo durante os anos de fome como a sua área de responsabilidade. A função principal dele era a independência e a consolidação da nova moeda finlandesa (markka). Foi graças a ele também que o Manifesto de Língua foi aprovado por Alexandre II em 1863, um primeiro passo na oficialização da língua finlandesa.

No entanto, Snellman teve que se demitir do cargo de senador devido às descórdias. Mais tarde, assumiu o cargo do presidente da directoria da Associação de Hipotecas da Finlândia. Como trabalho adicional ainda escrevia bastante para os jornais, e também trabalhava como director da Associação da Literatura Finlandesa, entre outros.

Snellman foi nomeado conselheiro da chancelaria, mais tarde foi nomeado doutor honoris causa e foi nobilitado em 1866.

Snellman casou-se em 1845, em Kuopio, e tinha uma família com sete filhos. J. V. Snellman faleceu em Danskarby, Kirkkonummi, no dia 4 de Julho de 1881.

 Museu de J.V. Sellman em Kuopio (em inglês)

Imprima esta página

actualizados 10-10-2011


© Embaixada da Finlândia, Lisboa | Informações sobre o serviço on-line | Contacto